domingo, 7 de dezembro de 2014

Não queremos a portização do Benfica

Estive ontem no jogo da Luz. 

Vi um Benfica com muitas dificuldades para chegar à área do Belenenses com sucesso. A equipa do Restelo apresentou-se muito fechada: não era um autocarro, mas um camião TIR.

A segunda parte lá trouxe a vitória. Estava eu a comentar que, esta época, Lima estava a "nunogomizar-se" (i.e. a jogar para a equipa mas sem marcar muitos golos) e eis que este marca o primeiro. Tenho de dizer isto mais vezes. 

O penalty que dá origem ao segundo golo não é evidente. Há um toque mas chega para desequilibrar Enzo?

O terceiro é golo de antologia. O relato da Antena 1 ilustra bem o que se passou: "ISTO É ESCANDALOSO, NICO GAITÁN!". Para ver e rever.


Fonte: Facebook do Benfica

O que não foi feliz foi a ausência de Miguel Rosa e Deyverson dos convocados do Belenenses por força de um acordo de cavalheiros (não plasmado no contrato de compra e venda dos respetivos passes). 

Isto não pode acontecer. O Benfica não pode pautar a sua postura por condutas como esta e, nós, adeptos, temos de condenar sempre que isso acontece. Foi assim com a rega no meio da festa do título do Porto. Foi assim com o mau perder na final da Taça com o V. Guimarães. É agora com este mal-fadado acordo que deixa sempre uma nuvem de suspeição sobre os jogos entre estes rivais de Lisboa.

Voltando ao jogo jogado. Apesar dos golos, e de algumas trocas de bola interessantes, a equipa do Benfica tem apresentado exibições não muito bem conseguidas. Este é o Benfica de JJ que mais se assemelha ao de Quique. Vai ganhando, com vantagens curtas e pouco espectáculo. 

Temos de ser muito melhores, se queremos vencer no Dragão, e acredito que podemos sê-lo!

terça-feira, 11 de novembro de 2014

Avaliação à 10.ª Jornada

Avaliando os últimos 10 campeonatos, à 10.ª jornada, verificamos que neste momento, a diferença entre 1.º e 5.º classificados é de 7 pontos. Não é uma vantagem particularmente curta mas também não é de uma dimensão assinalável. No ano passado a diferença era exatamente a mesma, com intervenientes diferentes.


Nesta análise comparativa, parece pertinente também destacar os seguintes aspetos:

  1. Esta é a primeira vez que Benfica lidera o Campeonato isolado à 10.ª jornada.
  2. Benfica e Porto aparecem sempre nos 5 primeiros à 10.º jornada.
  3. O Sporting falha 4 presenças.
  4. A maior diferença entre o 1.º e o 5.º classificados teve lugar em 2010/11 (ano de má memória para a equipa da Luz) e era de 13 pontos.
  5. 2010/11 foi também a época em que do Benfica para o primeiro havia maior diferença (10 pontos) e aquela em que os encarnados tinham menos pontos (18 pontos), ex-aequo com 2005/06.
  6. Só por uma vez o Benfica fez mais pontos do que aqueles que agora tem. Foi em 2012/13 em liderança partilhada com o Porto.
  7. O clube extra-grandes que aparece num maior número de vezes nos 5 primeiros é o Braga que surge tantas vezes como o Sporting.
  8. O Benfica tem uma média de pontos conquistados nas primeiras 10 jornadas nas últimas 10 épocas, de 22,2.


Vejamos como serão as próximas jornadas, num campeonato que se prevê difícil. Apesar da inédita liderança isolada, as exibições do Benfica têm de subir de qualidade. Já são muitos os jogos sem a nota artística que sempre caracterizaram o Benfica de JJ, mesmo em 2010/11. 

Houve muitas vitórias pela margem mínima (Boavista, Estoril, Rio Ave, Mónaco, Nacional), histórico que por si só poderia nada significar, mas a verdade é que, quer nestes jogos, como noutros, ao Benfica tem faltado a tradicional chama. 

Cumpre acreditar.

sábado, 8 de novembro de 2014

As contas do Benfica




Um quadro com as possíveis contas, sem a preocupação de ser totalmente exaustivo.

Benfica perde com o Zenit

(A Liga dos Campeões torna-se impossível matematicamente. O acesso à Liga Europa fica também dependente de resultados de terceiros e até pode ficar logo impossível à 5.ª Jornada se o Mónaco vencer o Leverkusen)
Leverkusen ganha a Mónaco
Benfica vai à Liga Europa se o resultado que fizer com o Leverkusen em casa na última jornada for melhor que o do Mónaco contra o Zenit.
Leverkusen empata com o Mónaco
O Benfica precisa de ganhar ao Leverkusen e esperar que o Mónaco não ganhe ao Zenit para ir à Liga Europa.
Mónaco ganha ao Leverkusen
Sem hipóteses de ir à Liga Europa.
Benfica empata com o Zenit

(Em caso de empate com o Zenit o Benfica tem uma hipótese residual de ir à Champions League e depende de si para chegar à Liga Europa)
Leverkusen ganha a Mónaco
Neste caso, se o Benfica ganhar ao Leverkusen na última jornada, irá à Champions League a menos que o Zenit ganhe ao Mónaco. A Liga Europa é garantida se o Benfica ganhar o jogo. Se o Benfica empatar com o Leverkusen, soma 6 pontos e a champions é impossível. Mas irá sempre à Liga Europa. Caso o Benfica perca este jogo fica apenas com 5 pontos, os mesmos de Mónaco e Zenit no início da jornada. Se ambos empatarem Benfica fica fora da Liga Europa. Se Mónaco ganhar, Benfica fora da Liga Europa. A única esperança aqui é a de que o Zenit ganhe ao Mónaco e no confronto directo o Benfica conseguiria o terceiro posto.
Leverkusen empata com o Mónaco
Neste caso temos um cenário de seis pontos para o Mónaco e 5 para Benfica e Zenit. Assim, se o Benfica somar 6 (empatando com Leverkusen), irá à Liga Europa caso o Mónaco ganhe ou caso o Zenit ganhe. Se empatarem está fora das competições europeias. Se o Benfica ganhar ao Leverkusen soma 8 pontos. Irá à Champions em caso de empate entre as formações monegasca e russa. Irá à Liga Europa se não existir empate. Se Benfica perder está fora das competições europeias.
Mónaco ganha ao Leverkusen
Neste caso o cenário de partida é 9 Leverkusen 8 Mónaco e cinco para Benfica e Zenit. A hipótese champions League fica fora de hipótese. Se o Benfica ganhar soma 8 pontos e garante a Liga Europa sendo impossível a Champions League. Se Mónaco perder, ficam todos com 8, e Mónaco fica em quarto, Benfica em terceiro Zenit passa. Se Mónaco e Zenit empatarem, é o Monaco que segue na Champions. Se o Mónaco ganhar o mesmo.
Benfica ganha ao Zenit por 0-1

(O Benfica passa a depender de si próprio para chegar à próxima fase da Liga dos Campeões)
Leverkusen ganha ao Mónaco
Neste caso o ponto de partida é sete pontos do Benfica, 5 do Mónaco e 4 do Zenit. Se o Benfica ganhar ao Leverkusen vai à Champions League. Se empatar soma 8 pontos e vai também à Champions. Já se perder, tem que esperar um empate. Se o Zenit ganhar passa o Zenit, indo o Benfica para a Liga Europa, se o Mónaco ganhar, segue o Mónaco.
Leverkusen empata com o Mónaco
Neste caso o ponto de partida, é sete do Benfica, 6 do Mónaco e 4 do Zenit. Vitória com o Leverkusen segue em frente o Benfica. Em caso de empate, soma 8 pontos e apenas não vai à Champions se o Mónaco somar 9 pontos ganhando ao Zenit. Em caso de derrota só segue em caso de empate. O mesmo cenário que se colocou em cima.
Mónaco ganha ao Leverkusen
Neste caso o ponto de partida são 7 pontos do Benfica, 8 do Mónaco e apenas 4 do Zenit. Se o Benfica ganhar ao Leverkusen soma 10 pontos. Se o Mónaco também ganhar ao Zenit soma 11 pontos. Aqui, volte face gigante e é o Leverkusen que com 9 pontos sai da prova. Se o Benfica empatar com o Leverkusen soma 8 pontos e o Leverkusen está apurado.  A única hipótese do Benfica seguir em frente é o Zenit vencer o Mónaco. Se o Benfica perder com o Leverkusen está fora da próxima fase da Liga dos Campeões, sendo que poderá ficar fora da Liga Europa caso o Zenit vença o Mónaco na derradeira jornada.
Benfica ganha ao Zenit por 0-2, 1-3, 2-4 ou qualquer outro resultado com diferença superior a dois golos, e admitindo que na última jornada o goal diference fica favorável ao Benfica.
Leverkusen ganha ao Mónaco
Neste caso o ponto de partida é sete pontos do Benfica, 5 do Mónaco e 4 do Zenit. Se o Benfica ganhar ao Leverkusen vai à Champions League. Se empatar soma 8 pontos e vai também à Champions. Já se perder, por já ter vantagem no confronto com o Zenit, mesmo que o Zenit ganhe vai o Benfica à próxima fase. Apenas se forem os franceses a ganhar é que o Benfica “cai para a Liga Europa”.
Leverkusen empata com o Mónaco
Neste caso o ponto de partida, é sete do Benfica, 6 do Mónaco e 4 do Zenit. Vitória com o Leverkusen segue em frente o Benfica. Em caso de empate, soma 8 pontos e apenas não vai à Champions se o Mónaco somar 9 pontos ganhando ao Zenit. Em caso de derrota só segue em caso de empate ou de vitória do Zenit.
Mónaco ganha ao Leverkusen
Neste caso o ponto de partida são 7 pontos do Benfica, 8 do Mónaco e apenas 4 do Zenit. Se o Benfica ganhar ao Leverkusen soma 10 pontos. Se o Mónaco também ganhar ao Zenit soma 11 pontos. Aqui, volte face gigante e é o Leverkusen que com 9 pontos sai da prova. Se o Benfica empatar com o Leverkusen soma 8 pontos e o Leverkusen está apurado.  A única hipótese do Benfica seguir em frente é o Zenit vencer o Mónaco (Benfica e Mónaco com 8 pontos e Zenit com quatro com vantagem no confronto direto para o Benfica). Se o Benfica perder com o Leverkusen está fora da próxima fase da Liga dos Campeões, sendo que irá sempre à Liga Europa.

Algumas breves conclusões:
Uma derrota do Benfica em São Petersburgo deixa a passagem à próxima da Champions League matematicamente impossível e a ida à Liga Europa também em condições precárias. São precisas várias contas e várias combinações de resultados para poder sonhar.
Um empate em São Petersburgo, deixa o Benfica numa situação muito periclitante  para a Champions e também a precisar de vários resultados. Quanto à Liga Europa, a “coisa” não fica famosa. O Benfica precisará sempre de fazer melhor com o Leverkusen do que o Zenit com o Mónaco.
Uma vitória em São Petersburgo deixa o Benfica apenas a depender de si para continuar em prova deixando a Liga Europa bem encaminhada (e se a vitória for igual ou superior a 0-2 garantida). No caso do Benfica ficar melhor no confronto directo com o Zenit fica ainda melhor posicionado para prosseguir a aventura europeia.
No deve e no haver, consideramos que o empate será muito comprometedor para as aspirações do Benfica pelo que o Benfica deve arriscar muito na vitória. Já me parece mais inteligente garantir o 0-1 do que ir à busca do 0-2.

quarta-feira, 5 de novembro de 2014

Europa

Pela segunda vez na história os três grandes venceram na mesma jornada da Champions.

A primeira foi na época de 2007/08. Na altura, o Benfica derrotou o Shakhtar e foi para a Taça UEFA onde acabou por ser derrotado pelo Getafe nos oitavos-de-final (assisti à paupérrima primeira mão no Estádio da Luz); o Porto venceu o Besiktas e passou aos oitavos-de-final, fase em que foi eliminado pelo Schalke 04;  o Sporting levou de vencido o Dínamo de Kiev, também foi redirecionado para a Taça UEFA e nos quartos-de-final foi eliminado pelo Rangers.

Desta feita, o Benfica venceu o Mónaco, o Porto derrotou o Athletic e o Sporting levou a melhor sobre o Schalke.

Dos três apenas vi o jogo do Benfica. A exibição da equipa da Luz foi fraca. A espaços foram conseguidos bons apontamentos coletivos mas parece-me que, em regra, a equipa não tem fio de jogo nem joga em bloco.

É assustador que JJ olhe para o banco e raramente lá encontre quem seja alternativa credível ao 11 inicial. 

Samaris, que raramente corta uma bola sem falta, ainda não fez um bom jogo. 

André Almeida não oferece garantias no lado esquerdo onde ontem andou sempre em perda em relação a Carrasco, tendo sido mal auxiliado por Jardel cuja constante entrega ao jogo admiro mas que não tem a qualidade de jogo necessária para ser titular no Benfica.

Derley lutou mas pouco pôde fazer, perdido lá na frente. 

Os outros jogaram razoavelmente e o golo acabou por surgir mas, sendo este o jogo contra a equipa menos difícil do grupo, exigir-se-ia muito mais da equipa da Luz, claramente superior aos monegascos.


Imagem da página do Benfica no facebook

As perspetivas para os clubes de Lisboa não são as melhores. o Benfica tem uma deslocação dificílima a São Petersburgo e o Sporting ainda jogará fora na última jornada com o Chelsea que hoje não ajudou ao empatar com o Maribor.

O Porto já se apurou.

Esperemos que os clubes portugueses presentes na Liga Europa continuem esta senda de bons resultados que poderá significar uma aproximação ao 4.º lugar do ranking presentemente ocupado pela Itália.

Não será fácil, de todo. O Estoril joga fora com o Dínamo de Moscovo e o Rio Ave recebe o Steaua.

Veremos!

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Prémios, a boca grande de Platini e o escândalo da exclusão de Jesus

Por motivos profissionais não consegui postar, como habitual, ontem Quinta-Feira. Fica o texto hoje.



O de melhor jogador em 2014. Platini, porque não te calas?

O melhor jogador do mundo de 2014, não deve ser evidentemente, o melhor jogador do mundial ou da equipa que venceu o mundial. Posso aceitar o argumento, de que o melhor jogador do mundial, deva estar na equipa que ganhou o mundial, mas mesmo isso é dúbio. Aliás, foi considerado melhor jogador do Mundial, Messi, num dos momentos mais hilariantes do Desporto em 2014. Considerei, que o melhor desse mundial foi Neuer. Porque foi campeão do mundo, porque foi, na minha perspectiva o jogador mais decisivo para o sucesso da Alemanha, porque valeu sempre por dois. Guarda-Redes incrível, libero fantástico, que permitiu à Alemanha jogar 30 metros à frente e sufocar as outras equipas. Neuer, foi de longe o melhor. Depois terá sido Robben, que levou a Holanda às costas. Para melhor do mundo em 2014, a história é outra.
Ronaldo ganhou a competição mais importante, a Liga dos Campeões. Bateu todos os recordes e foi determinante na selecção – jogo com a suécia dos melhores de sempre na carreira. Para mim foi o melhor do mundo, seguido de Neuer, não apenas pelo campeonato do Mundo, mas pelo que fez e ganhou no Munique. O meu terceiro nome, seria Diego Costa, preponderante na chegada à final da Champions pelo Atlético e pela vitória na Liga Espanhola intrometendo-se entre Real e Barcelona. Além disso, está a fazer um arranque incrível num enorme Chelsea de Mourinho.

Diria assim: 1 - Ronaldo, 2 - Neuer, 3 - Diego Costa.
Sobre os treinadores. Inacreditável a lista dos 10 melhores. Klinsmann? Conte?

Jorge Jesus “queixou-se” e com razão. Ganhou tudo aquilo que havia para ganhar no plano interno, lidera o campeonato e chegou a uma final europeia. Aqui tenho mais dúvidas sobre quem merece o galardão. Equaciono entre dois nomeados e um não nomeado (deixando em quarto lugar Joachim Low pela conquista do campeonato do mundo e em quinto Guardiola pelo ganhou na Alemanha e por também ter muito que ver com o sucesso alemão no mundial).
O pódio teria que ter, para mim Ancelloti, venceu a Champions e a Taça do Rei. Simeone, porque chegou a uma final da champions, incrível para o atlético, e ganhou a complicadíssima liga espanhola. Jesus, porque chegou a uma final europeia (que ganharia facilmente não tivesse sido a exibição absolutamente nojenta do arbitro alemão no jogo com o Sevilha) e venceu todos os troféus internos. Foram os três melhores o ano passado.
Se Ancelloti tivesse ganho o campeonato, penso que o caso estaria arrumado. E talvez assim também esteja. Mas, Simeone, perdeu a Champions por um detalhe e venceu um campeonato entre os incríveis Barça e Real, é absolutamente inacreditável. O Coração far-me-ia votar em Simeone, no comparativo com Ancelloti. Jesus? Ganhou o campeonato, ganhou as taças, a supertaça e está em primeiro. Julgo que se bate também resvés com estes dois. Poder-se-á dizer (e bem) que Liga Europa e Champions são diferentes, mas os orçamentos também. E nenhum dos outros dois ganhou tudo o que havia para ganhar internamente. Não consigo avançar com uma hierarquização clara entre os três.
Agora, Jesus não estar nos 3 melhores parece-me injusto. Não estar nos cinco parece-me anedótico. Não estar nos 10 é escandaloso. É muito mais estranho não estar nos 10, do que ser considerado o melhor do mundo em 2014.

P.S. - Lanço o repto a todos para irem à Luz apoiar hoje o Benfica. É um jogo decisivo. Uma não vitória pode ter consequências muito muito negativas para o resto da época. É fundamental o apoio de todos para que "ninguém pare o Benfica", "ninguém pare o Benfica", allez ohhhhh ;)

domingo, 26 de outubro de 2014

Braga: o 4.º grande?

O Benfica joga hoje contra a equipa que mais trabalho tem dado aos 3 grandes nos últimos anos, mas poder-se-á afirmar que o Braga é o 4.º grande do futebol português?

Esta é uma discussão antiga. O Belenenses assumiu esse estatuto há muitos anos. Posteriormente surgiram V. Guimarães e Boavista. Hoje em dia fala-se no Braga. 

Aliás, em entrevista ao site do clube bracarense, Rafa afirmou que "todos os jogos são difíceis mas tenho noção que este é ainda mais até porque se trata de um jogo contra outro “grande”".


Podemos considerar que o Braga é o clube que se segue aos 3 do costume mas parece-me francamente abusivo colocar o Braga no mesmo barco que Benfica, Sporting e Porto.

Vejamos as estatísticas dos 4 clubes dos últimos 10 anos (de 2003/04 a 2013/14):


Conforme é possível verificar na tabela acima, o Braga continua, quer no confronto direto, quer em títulos vencidos, a léguas dos 3 grandes [cumpre retirar das tabelas 1 vitória ao Porto sobre o Braga uma vez que, por lapso, adicionei o jogo deste campeonato a estas estatísticas].

No entanto, isto obviamente não significa que o jogo de hoje seja fácil. Na realidade, desde que chegou ao Benfica, JJ apenas venceu nas últimas duas deslocações a Braga a contar para o campeonato.

A equipa adversária, por si só, já é difícil, mas o ambiente muito hostil (que amainou nas últimas épocas) parece naturalmente prejudicar a performance da equipa da Luz (recordo o episódio do arremesso das bolas de golfe).

Veremos o que é o Benfica capaz de fazer.

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Liga de Clubes


Quer-se agora criar a ideia de que o Benfica e o Porto se aliaram. Querem, alguns, passar essa mensagem como uma coligação para derrotar o Sporting. Nada de mais errado.

O Sporting auto-excluiu-se de todo e qualquer processo de convergência seja com o Benfica, seja com o Porto seja com a globalidade dos clubes, pelo simples facto de adoptar uma estratégia bélica de guerra em todas as frentes. Essa posição mais extremista, impede, na maior parte das vezes a capacidade de aglutinar e de consensualizar.

A estratégia de Bruno de Carvalho é rapidamente percepcionada por qualquer aluno médio de ciência política: O Objectivo é por os sportinguistas com “sangue na boca” relativamente ao Benfica e ao Porto. Identificar bem os adversários (todos) como forma de união interna, evitando cisões dentro do clube de Alvalade e permitindo a Bruno de Carvalho a perpetuação no poder mesmo que os títulos não apareçam.

Declaração de interesses: Eu até acho que Bruno de Carvalho tem sido um presidente bastante bom para o momento actual do Sporting e acredito que os títulos vão acabar por surgir. Isso vai acontecer quando o Sporting, estiver 2 ou 3 anos seguidos nas competições europeias e começar a conseguir exportar alguns dos seus principais activos permitindo que com regularidade apresente boas equipas. Mais: Se há uns anos atrás (já lá vão muitos) quando o Sporting foi campeão, a estratégia foi contratar a espinha dorsal da Selecção, desta vez o Sporting está a construir a custo zero essa espinha dorsal.

Voltando ao início: A melhor explicação do que deve ser a Liga de Clubes, veio do insuspeito Guilherme Aguiar, conhecido sócio do Futebol Clube do Porto. A Liga de Clubes deve ser um espaço, um cartel, entre todos os clubes, para defenderem aqueles pontos comuns (por poucos que sejam) que interessam a todos. Tem a mesma finalidade que um sindicato, isto é, evitar a atomicidade – cada clube não conseguiria influenciar nada (tirando, eventualmente, os três grandes, especialmente o Benfica) mas juntos têm algum poder de mercado. Os pontos comuns serão necessariamente reduzidos: Organização dos campeonatos regular, direitos televisivos concentrados (?), angariação de patrocinadores para evitar as quotizações dos clubes. Assim, como bem disse, o sócio do Porto, é perfeitamente natural que os 27 clubes se tenham unido, inclusivamente Benfica e Porto. O anormal é quem não se junta. Porque não existe espaço na Liga de Clubes, por natureza, para essa desunião. A realidade é que esse é um espaço de aglutinação.

Fora da Liga, ninguém espere que as hostilidades entre Benfica e Porto, Porto e Sporting, Sporting e Benfica sejam maiores ou menores do que até aqui. São rivais históricos. Quando tento ensinar à minha sobrinha que o Benfica é bom, é evidente que acto contínuo explico que o Sporting e o Porto “não prestam”. As crianças vão sempre crescer com esse sentimento de rivalidade. Que é positivo.

P.S – Embora o texto seja publicado só hoje, escrevi-o na Terça, antes dos jogos da champions. A melhor das sortes para os clubes portugueses.

O Porto creio que vencerá o Atlético Bilbao e dará um passo importante para vencer o grupo.
O Sporting terá grandes dificuldades em pontuar na Alemanha. Mas espero que o consiga.
O Benfica tem que ganhar no Mónaco se tiver pretensões a passar no grupo. Se perder, acho que mesmo a Liga Europa fica muito complicada.